Blog Solaris

Blog > Publicação

Entenda a diferença entre uma cortina estruturada e uma tradicional

A cortina já se tornou um item de decoração indispensável em vários ambientes, para controlar a entrada de iluminação em janelas e portas, amenizar o calor e raios UV que acabam estragando o tecido e a madeira de móveis, dentre outros benefícios.


As cortinas que todos conhecem são aquelas tradicionais, geralmente feitas de tecido, mas que também podem ser encontradas em diversos materiais, dos mais leves aos mais pesados, como o voil e a camurça, respectivamente. Geralmente, são utilizadas mais para decoração, com o intuito de cobrir paredes e janelas feias, e são instaladas em varões ou trilhos suíços.


cortina em natal

Fonte: Decor Fácil


Se, por um lado, as cortinas tradicionais voltam-se, principalmente, à decoração de ambientes, as cortinas estruturadas são mais procuradas para resolver problemas funcionais de iluminação e incidência solar.


cortina em natal

Fonte: Happy Modern


Os modelos de cortinas estruturadas mais conhecidos são as romanas, rolô e painel. A cortina romana possue estrutura com varetas que permitem o seu fechamento em partes ou camadas. Ela pode ser produzida nos mais variados tecidos por ser estruturada e, dependendo da escolha do material, pode garantir o escurecimento total do ambiente (com tecidos blackout) ou apenas garantir a privacidade com a visão parcial do que se tem no outro lado (com tecidos translúcidos).


cortina em natal

Fonte: Dragon Mart Online


Já a estrutura da cortina rolô apresenta um mecanismo especial, permitindo que se enrole para o fechamento. Esse modelo costuma ser usado para escurecimento total de um ambiente, sendo produzida em tecido blackout e com a aplicação de guias laterais, em alguns casos, para vedar em 100% a penetração da iluminação externa. Quando esse tipo de cortina fica enrolada, acaba ocultando-se numa sanca.


cortina em natal

Fonte: Homemakers Lifestyle


O terceiro modelo comum de cortina estruturada é a painel, que se abre horizontalmente, presa num trilho. Ela é adequada para ambientes onde há um espaço ao lado de onde será instalada; se ficar sobre a porta ou janela, metade do vão sempre ficará coberto.


Os modelos citados podem ser os mais conhecidos, mas não são os únicos estruturados quando o assunto são cortinas. Ainda existem outros como a silhouette, que combina a praticidade das persianas com a elegância dos mais variados tecidos; e a cortina celular, que abre e fecha verticalmente, formando uma espécie de sanfona, e pode ser feita com tecido blackout, possibilitando redução na entrada de luz e isolamento acústico.

Como podemos ver, as cortinas estruturadas são assim classificadas quando apresentam uma funcionalidade ou têm mecanismo definido e mais complexo que o simples uso de um trilho ou varão pré-fabricado para instalá-la. Vale analisar bem qual o modelo ideal para o seu ambiente, seja pela estética ou funcionalidade. Fale com a Solaris! Nossos profissionais estão à sua disposição para te ajudar da escolha da cortina ideal para o seu ambiente.


Posts recentes